Veja como foi o Abraço da Guarapiranga 2010

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O abraço da Guarapiranga reuniu cerca de seis mil pessoas em três diferentes pontos do manancial, na zona sul da capital paulista. Como em todos os anos, a intenção foi alertar a população e as autoridades para a degradação dos mananciais e o risco de colapso no abastecimento de água.

A Rede de Olho nos Mananciais, que re√ļne ONGs ambientalistas, movimentos sociais, universidades, institui√ß√Ķes religiosas e diversas organiza√ß√Ķes da sociedade civil, promoveu no √ļltimo domingo (30/05), a quinta edi√ß√£o do Abra√ßo da Guarapiranga. Realizado em tr√™s locais diferentes √†s margens da represa, o evento, reuniu cerca de seis mil pessoas entre o Parque da Barragem na Av. Robert Kennedy, o Solo Sagrado em Parelheiros e o Parque Ecol√≥gico do Guarapiranga, no Jardim √āngela. O sol, que brilhou o dia todo, colaborou para o sucesso do simb√≥lico gesto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No Parque da Barragem, a Associa√ß√£o Cultural Zumbi dos Palmares organizou rodas de capoeira enquanto a ACM-Jabaquara fez um arrast√£o com o Maracatu Il√™ Al√°fia que conduziu as pessoas no abra√ßo simb√≥lico. Houve tamb√©m passeio cicl√≠stico, plantio de √°rvores, oficinas de educa√ß√£o ambiental. Grupos de escoteiros, escolas, universidades, clubes esportivos, associa√ß√Ķes culturais e ambientalistas estiveram presentes nas atividades.

No Jardim √āngela, a tradicional caminhada da Par√≥quia Santos M√°rtires at√© o Parque Ecol√≥gico Guarapiranga reuniu cat√≥licos e evang√©licos das comunidades da regi√£o. L√° realizou-se a celebra√ß√£o religiosa e ao meio dia as pessoas deram-se as m√£os para abra√ßar a represa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em Parelheiros, no Solo Sagrado (sede da Igreja Messi√Ęnica Mundial), a programa√ß√£o come√ßou cedo. As 8h30, os volunt√°rios iniciaram um mutir√£o de limpeza, seguido por oficinas de reciclagem, ikebana, horta org√Ęnica e atividades culturais. √Äs 12h00 mais de duas mil pessoas se deram as m√£os para abra√ßar a Guarapiranga.

O Abra√ßo √© uma demonstra√ß√£o de carinho da popula√ß√£o com a represa, uma festa e tamb√©m uma manifesta√ß√£o de indigna√ß√£o e protesto, pois o crescimento desordenado das cidades da Regi√£o Metropolitana de S√£o Paulo, as ocupa√ß√Ķes irregulares, os desmatamentos e o despejo de esgoto e res√≠duos, v√™m comprometendo a capacidade de produ√ß√£o, armazenamento, tratamento e distribui√ß√£o da √°gua.

Atualmente uma enorme quantidade de plantas aqu√°ticas (aguap√©s e alfaces d’√°gua), boiam na superficie das √°guas da Guarapiranga. Estas plantas, da fam√≠lia das macr√≥fitas, se reproduzem quando encontram ambientes ricos em f√≥sforo e com grande quantidade de material org√Ęnico, ou seja: esgoto. S√£o um indicador da qualidade da √°gua, que √© bem ruim no momento.
Os mananciais de S√£o Paulo tamb√©m est√£o amea√ßados com a implanta√ß√£o do Trecho Sul Rodoanel, que provocou desmatamentos e tem induzido a ocupa√ß√£o. As organiza√ß√Ķes ambientalistas denunciam que as compensa√ß√Ķes ambientais previstas durante o processo de licenciamento da obra ainda n√£o foram implementadas.