A dourada é…. medalha de ouro em distância


Bagre amazônico recebeu o nome devido à coloração dourada, mas é também uma recordista: tem a maior rota migratória do mundo entre peixes de água doce. Foto: Michael Goulding.

por Vandré Fonseca - portal OECO

Manaus, AM -- A dourada (Brachyplatystoma rousseauxii), um bagre que atinge cerca de 1,5 metro de comprimento e nada tem a ver com seu quase xará do Pantanal, praticamente atravessa o continente sul-americano, de leste a oeste, para depositar os ovos nas cabeceiras dos rios, perto dos Andes, na maior rota migratória de um peixe de água doce já confirmada pela ciência.

A desova ocorre durante o período de cheia, no sopé da Cordilheira dos Andes. As larvas, que nem bem chegam a 6 milímetros de comprimento, vai se desenvolver ao longo do trajeto que pode chegar a 11,6 mil quilômetros. O destino é o rico ecossistema do estuário do Rio Amazonas, onde os peixes vão viver pelos próximos dois ou três anos.

Quando estão entre 60 e 80 centímetros de comprimento, as douradas já estão grandes o suficiente para iniciar o trajeto de volta. Mas elas vão passar ainda mais um ou dois anos amadurecendo e ganhando corpo no interior da Bacia Amazônica. Com três ou quatro anos de idade, medindo em média 1 metro de comprimento, os adultos maduros aproveitam a estação de cheia para chegar às cabeceiras onde nasceram e dar vida a novos indivíduos.


A descoberta foi publicada nesta terça-feira no jornal aberto Scientific Reports da Nature por uma equipe de pesquisadores coordenada pela Iniciativa Águas Amazônicas, liderada pela Wildlife Conservation Society (WCS). O estudo analisou também a migração de três outros grandes bagres amazônicos, que desovam em cabeceiras ocidentais da Bacia Amazônica, piraíba (B. platynemum), o jundiá (B. juruense) e a piramutaba, (B. vaillantii).

A rota da dourada. Peixe chega a nadar 11,6 mil quilômetros para desovar.


A novidade não chegou a surpreender os pesquisadores, que já imaginavam essa possibilidade. A confirmação veio com auxílio de dados estatísticos e ao mapeamento dos movimentos das quatro espécies, considerando larvas, jovens e adultos. Os pesquisadores acreditam que outros bagres amazônicos apresentem comportamento parecido.


Os quatro bagres estudados estão amplamente distribuídos pela Bacia Amazônica e são importantes para a indústria pesqueira. “Estas descobertas podem agora nos dar os princípios para estratégias efetivas de manejo desses peixes, alguns deles muito importantes para a indústria pesqueira da região”, afirma o zoólogo Ronaldo Barthem, do Museu Paraense Emílio Goeldi, que fica em Belém (PA).

Os autores do estudo alertam para o risco a essas espécies, oferecido pela construção de barragens dos rios, atividade de mineração e o desmatamento, principalmente nas cabeceiras onde ocorre a desova dos peixes. É bom lembrar que existem projetos de hidrelétricas para quase todos os grandes rios da Amazônia.


O estudo vai servir de base para novas pesquisas sobre a migração de bagres na Amazônia, que devem usar indivíduos marcados e análises de otólitos (formações de cálcio dentro do ouvido interno dos peixes). Entre as questões que ainda precisam ser resolvidas estão o motivo desta viagem tão longa.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
espaco_rodape_2.png